Inverno 2017 não deixou água nos reservatórios. E agora, José?!

04 abril
Imagem: Prof. Francisco de Assis SousaChuvas foram insuficientes. (Imagem:Prof. Francisco de Assis Sousa)Chuvas foram insuficientes. 
As poucas e finas chuvas que caíram no semiárido piauiense, especialmente, na região de Picos, não foram o suficiente para deixar água nos reservatórios para atravessar o período de estiagem, que compreende os meses de abril a dezembro. E agora, José?!

A única esperança carregada pelo sertanejo é a fé que, mesmo estando no mês de abril, ainda caia água para encher as barragens. 

Leia a crônica,abaixo!
Mata verde e sol a pino

Bastou uma chuva para as folhas verdes darem o ar da graça. Estavam escondidas desde o mês de maio, quando as últimas se soltaram de tão amarelas. As da aroeira são as mais atrevidas, as mais viçosas, com verde forte, escuras em clorofila. No solo, a vegetação rasteira aponta a cabeça em raminhas babugentas, e, como se estivesse a observar o ambiente, se alastra em folhas miúdas campo adentro. Paralelo a esse movimento, as cortinas se abrem, o sol se mostra e uma dúvida se instala na mente do caboclo. Será se vai ter inverno?

Com as primeiras águas, o juazeiro também se apresenta. Com mais vigor, chega à festa de pele renovada, em verde claro de tão jovem. As ovelhas ocupam a sombra organizada em copa, é tempo de descanso, ninguém aguenta a quentura do início da tarde.  Antes falávamos do calor do meio dia, agora, já se faz rotina à alta temperatura vespertina. “O sol só esfria quando se põe!”

Será se a chuva foi embora? Depois da água se estende a tarde quente, de noites abafadas em suor escorregadio, de ventiladores a trabalhar. A sede faz a terra engolir, com voracidade, as rasas poças que se acumularam com as primeiras águas.  O calor que é bem-vindo nos ambientes praianos, judia da vida sertaneja que pede, em clemência, para a chuva voltar.

Já são muitos anos de seca. Os reservatórios, de menor porte, há tempos que estão vazios; os de maior, amortecidos, segue o curso da estiagem e vão se despedindo em passos largos. “Não é possível que este ano não caia água para encher as barragens! Se isso não acontecer, não sei o que vai ser de nós!”. A principal preocupação do sertanejo não reside mais na plantação, na colheita de milho e feijão, na pastagem para os animais, mas no acúmulo de água nos reservatórios. É a própria sobrevivência humana que está em jogo.

A necessidade da água faz o habitante do semiárido olhar incansavelmente para o céu e ver como se encontra a disposição das nuvens. Se estão carregadas! Mas só o infinito azul escancara até onde a vista alcança. A cada fim de tarde, renova-se a espera de que a noite traga o alento tão necessário para a progressão da vida. Atento ao movimento dos astros, olha no horizonte se há manifestação de relâmpagos para o nascente, se o vento está soprando de baixo para cima, se a lua apresenta algum sinal.

São experiências vivas que alimentam a esperança de uma madrugada com chuva, que o dia seguinte seja sem sol, de terra alagada, de pé na lama, de riacho corrente, de banho de rio, de cisterna serena, de açude em canto.  A noite cai, a madrugada cresce, o dia amanhece, o sol se espalha. Os animais abocanham a babuja já murchando, a cocheira continua a ser o local de beber. O olhar fixo no céu não permite morrer. A chuva virá mais tarde!

Por: Francisco de Assis Sousa é professor e cronista. Mestrando em Ciência da Educação pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologia de Lisboa – Portugal. E-mail: frassis88@hotmail.com
CURTA ESSA MATÉRIA PELO FACEBOOK: