.

“Pra mim é o fim de tudo isso”, diz Niéde Guidon sobre situação do Parque da Serra da Capivara

16 julho


“Pra mim é o fim de tudo isso”, diz Niéde Guidon sobre situação do Parque da Serra da Capivara


“E
u era professora em Paris, filha de pai francês e mãe brasileira, comecei a trabalhar no Brasil, fazia cursos com meus alunos e em 1992 o governo brasileiro pediu à França para me emprestar para que eu fizesse o projeto para proteção da Serra da Capivara, porque sendo patrimônio da humanidade é obrigação do governo brasileiro protegê-lo. Então a França me emprestou, vim para cá, fiz todo esse projeto. Deixei de morar em Paris para morar em São Raimundo Nonato para defender esse patrimônio e não consegui. Realmente um fracasso total”.

Com essas palavras de desapontamento, a arqueóloga Niéde Guidon, diretora-presidente da Fundação Museu do Homem Americano e reconhecida pelo seu grande trabalho no Parque Nacional da Serra da Capivara, concedeu entrevista à Teresina FM falando sobre as dificuldades enfrentadas pela entidade. Em tom de desabafo, ela mostrou cansaço e decepção pela falta de empenho do Governo Federal para com o parque. Segundo ela, a situação está tão ruim que até o final deste ano a Fundação vai ter que fechar.


“O problema que nós temos é que os recursos estão cada vez mais diminuindo. O deputado Paes Landim fez emenda, tivemos repasse do Iphan, mas infelizmente são recursos para obras, para compra de equipamento e nosso problema é o pagamento de pessoal. Nós já tivemos que demitir uma quantidade imensa de pessoas, é muito triste. A situação está de um jeito que até o fim do ano a Fundação vai ter que fechar. Nós tínhamos recursos da Petrobras, que enviava todo ano e podíamos manter o parque. Tínhamos também a compensação ambiental, em que as empresas cujo trabalho prejudica o meio ambiente eram obrigadas a pagar e muitas escolhiam a Fundação para fazer o repasse, como por exemplo, Chesf e Vale do Rio Doce. Mas o Lula teve a ideia de mudar a lei em 2008 e criar um Fundo em Brasília e sumiu tudo”.


Niéde explica que havia 28 guaritas no Parque com pessoas trabalhando e cerca de 270 funcionários, mas a equipe foi reduzida para 40. A pesquisadora reafirmou ainda da falta que o aeroporto de São Raimundo Nonato faz e o tempo que se perdeu para que fosse construído. Atualmente, o parque tem recebido 25 mil turistas por ano. “O problema não é a pesquisa. Do ponto de vista científico, foi algo extraordinário, sempre contamos com o apoio do Ministério de Ciência e Tecnologia, temos um museu que não existe outro igual na América do Sul. Agora se o aeroporto de São Raimundo Nonato tivesse pronto, que começou essa discussão desde 1987, teríamos 6 milhões de turistas e teríamos recursos para manter o parque. Todo o nosso projeto não precisaria do governo, porque o turismo manteria a região, inclusive traria dinheiro para o Piauí. Nós já tivemos firmas internacionais que queriam construir prédios, mas quando viram o aeroporto desistiram; é muito difícil trabalhar nessa situação”.


A pesquisadora abordou a negligência do governo federal e questionou o fato de haver crise, mas não serem reduzidos cargos em Brasília. Ela alertou ainda para o fato de que se a Fundação fechar, o parque seria destruído. “Eu acho que eu me enganei pensando que no Brasil trabalhando corretamente poderia mudar a situação dessa região que conheci nos anos 80. Tudo que poderia ter sido trazido para essa região para ter um status de primeiro mundo deu errado por causa desse aeroporto e de tudo que temos aqui no Brasil. A situação econômica no país realmente está terrível, mas existe maneiras de resolver o problema. A primeira coisa seria reduzir o número de ministérios que são 39. Porque aumentar impostos em vez de diminuir ministérios? São essas coisas que não entendo na maneira de trabalhar no Brasil. A pesquisa está comprovada, publicada, temos nosso acervo, o problema é que o parque seria abandonado. As pessoas vão entrar, caçar, vão tirar madeiras, muitas guaritas foram destruídas depois que tivemos que tirar os funcionários. Nesse parque nacional foram investidos mais de 4 milhões de dólares que a Fundação conseguiu com o Banco interamericano, com a França, Itália. Como disse a própria Unesco, é uma infraestrutura fantástica, isso pertence ao Brasil e vai ser destruído”.


A arqueóloga diz que para a manutenção de toda a infraestrutura do Parque hoje seria preciso de no mínimo 400 mil reais por mês. Por enquanto a Fundação tem recursos, mas é necessário prever as indenizações, pois se não for restabelecido o financiamento normal o parque terá que ser fechado e os últimos funcionários demitidos. Ela diz que se fosse para recomeçar, não faria tudo de novo. “Eu acho que perdi realmente a minha confiança no Brasil, inclusive estou pensando que tenho que voltar para a França, porque aqui não deu certo. Estou com idade avançada, problema de saúde. Pra mim é o fim de tudo isso. Para me substituir tem pessoas da própria cidade que se formaram e fizeram pesquisa conosco e podem continuar o trabalho se tiverem coragem, mas sem dinheiro não podem fazer nada. E não tem nada a ver o fato de o Parque ser no Piauí, ele é nacional e é obrigação do governo federal, do qual sempre tivemos apoio, mas agora está em redução completa porque o Brasil está falido”.


Fonte: Teresina FM
CURTA ESSA MATÉRIA PELO FACEBOOK:
[facebook][blogger]
Tecnologia do Blogger.