Aeroporto de São Raimundo Nonato fica pronto com série de restrições

O polêmico Aeroporto Internacional Serra da Capivara, na zona rural de São Raimundo Nonato, região sudeste do Piauí está com suas obras finalizadas.

Aeroporto Internacional de São Raimundo Nonato Foto: André Pessoa
O polêmico Aeroporto Internacional Serra da Capivara, construído na zona rural do município de São Raimundo Nonato, região sudeste do Piauí e distante 525 km da capital Teresina, está com suas obras finalizadas. A construção já se arrastava por mais de uma década sendo alvo de inúmeras denúncias de irregularidades. O terminal de passageiros e a pista de pousos e decolagens com 1.650 metros já recebem voos privados e podem operar, inclusive, no período noturno.
Em visita ao local na última sexta-feira, dia 23, o jornalista André Pessoa e sua equipe constataram que toda a parte estrutural, hidráulica e elétrica, piso, revestimento, cobertura, forro, vidros, iluminação, portas, janelas, bancadas, área de quiosques e lojas, espaço para lanchonete, equipamentos contra incêndios, área para escritórios administrativos, base de apoio para empresas e funcionários, estacionamento, acesso, entre outros itens estão finalizados. Até mesmo o elevador interno já foi instalado. Dentro do prédio faltam pequenos detalhes como o corrimão nas escadas de acesso ao segundo piso e nos corredores desse andar. A obra foi executada pela construtora Sucesso com recursos do Ministério do Turismo através de emendas parlamentares do deputado federal José Francisco Paes Landim (PTB) e apoio do Governo do Piauí.
Segundo as informações repassadas pela empresa Esaero, que administra o local e mantém funcionários para auxilio aos passageiros e operação das aeronaves, o aeroporto já conta com sinalização na pista e pátio de aeronaves, além do balizamento noturno que pode ser utilizado para pousos ou decolagens durante a noite. A brigada dos Bombeiros que teve a equipe treinada em Natal (RN) e na Base Aérea de Alcântara (MA), dispõe de uma viatura equipada para combate a incêndios mas ainda não recebeu ambulância para atendimentos de emergência.
Na parte estrutural falta a ligação da rede de água através da empresa de Águas e Esgotos do Piauí (AGESPISA), para que os banheiros, chuveiros do sistema automático contra incêndios e torneiras possam funcionar, além da operacionalização da “torre” de controle aéreo, o terminal de combustível e a construção do reservatório de água para o grupamento contra incêndios.
O impasse agora para seu pleno funcionamento parece se resumir aos condicionantes apontados pela equipe da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), que esteve no aeroporto para uma vistoria oficial, encontrou algumas falhas e pediu ajustes técnicos que o Governo do Piauí diz estar tratando diretamente com Brasília. Algumas semanas atrás o governador Wellington Dias (PT), esteve na capital federal em audiência com o ministro da Aviação Civil, Eliseu Padilha (PMDB), tentando agilizar os trâmites necessários para a homologação do aeroporto.
Segundo a vice-governadora, Margarete Coelho (PP), que desembarcou recentemente no aeroporto com uma comitiva internacional que incluía, entre outras autoridades, o embaixador da Alemanha no Brasil, Dick Brengelmann, a meta é viabilizar a operação regular de pequenos voos comerciais para que nos próximos anos se consolide como um pólo de transporte regional, desencadeando uma revolução na economia local com o incremento no fluxo de visitantes que chegam principalmente para conhecer os parques nacionais Serra da Capivara e Serra das Confusões, as duas maiores unidades de conservação do Nordeste.
INTERNACIONAL SÓ NO PROJETO
Apesar de ter sido batizado e planejado para ser um aeroporto internacional, existem algumas restrições que impedem que o local possa receber voos originários de outros países. Para que isso possa acontecer uma série de ajustes no atual projeto necessitam ser implementados.
Em primeiro lugar a pista que atualmente conta com 1.650 metros precisaria ser ampliada conforme o projeto original para 2.400 metros além de vários detalhes técnicos como a criação de unidades da Polícia Federal, Receita Federal, Alfândega, Vigilância Sanitária, Torre de Controle Aéreo com atendimento bilíngue, entre outros aspectos.
Enquanto a cidade não dispõe desses órgãos, a alternativa para que o Aeroporto Internacional Serra da Capivara receba vôos do exterior a médio prazo é ter as configurações de pista adequadas para grandes aviões como estabelece seu projeto original, assim, as aeronaves, em especial os voos charters, poderiam ser nacionalizados em qualquer aeroporto internacional do Brasil, fazendo com que os passageiros passem pela migração e alfândega e depois possam seguir na mesma aeronave para São Raimundo Nonato.
Fonte: Com informações da Agência Raízes do Piauí via Piauí em Foco
CURTA ESSA MATÉRIA PELO FACEBOOK: